Reeducandas de Três Lagoas aprendem técnicas de costura e manuseio das máquinas

39
Imagem:Divulgação

Três Lagoas (MS) – Com agulhas e linhas nas mãos, internas do Estabelecimento Penal Feminino de Três Lagoas (EPFTL) receberam mais uma oportunidade de profissionalização, que poderá garantir sustendo digno quando deixarem a prisão.

Um grupo de 12 detentas participou, recentemente, de capacitação na área de corte e costura dentro do presídio, oferecido em parceria entre a Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen), Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (Senar) e Conselho da Comunidade de Três Lagoas.

Durante o curso, que teve carga horária de 80 horas, as participantes aprenderam, além da modelagem, montagem, corte e confecção, e a etapa de acabamento de peças.

A diretora da unidade penal, agente Leonice Guarini, explica que a iniciativa possibilita uma nova oportunidade de reinserção para as detentas na sociedade. “Os cursos ajudam a melhorar a formação profissional das internas, já que a maior parte delas, depois de sair da prisão, enfrenta a falta de estudo e o preconceito”, analisa.

As aulas foram ministradas pelo Senar e o Conselho da Comunidade de Três Lagoas custeou os materiais utilizados. Cada reeducanda participante produziu três peças de roupa, sendo uma blusa, uma saia e uma bermuda.

Para o diretor presidente da Agepen, Aud de Oliveira Chaves, a qualificação profissional é essencial para que os custodiados e custodiadas sejam reintegrados à sociedade, já que aumentam, significativamente, as chances de conquistarem uma vaga no mercado de trabalho. “Com a ressocialização, conseguimos reduzir os índices de reincidência criminal”, finaliza, destacando a importante parceria do Senar e do Conselho da Comunidade nesse processo.

COMPARTILHAR